Sebratec

Donos de restaurantes de Salinas implantam novas práticas de segurança alimentar

Medidas foram adotadas por meio do Programa Boas Práticas de Fabricação - Alimentação Fora do Lar, do Sebrae Minas

Proprietários de restaurantes, bares e lanchonetes de Salinas, a conhecida Capital da Cachaça, no Norte de Minas, fizeram mudanças significativas em seus estabelecimentos. Por meio da consultoria Boas Práticas de Fabricação - Alimentação Fora do Lar, do Sebrae Minas, as empresas investiram em mecanismos que garantem maior segurança alimentar aos clientes. A consultoria faz parte do programa Sebraetec, que disponibiliza soluções tecnológicas e possibilita o acesso das micro e pequenas empresas à inovação e sustentabilidade.

A ação tem como objetivo garantir a segurança alimentar com boas práticas na manipulação dos alimentos. São orientadas atividades que atendem às exigências da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), com obediência aos quesitos da boa qualidade, segurança, confiabilidade e bem-estar dos consumidores.

O Programa permitiu que fossem adotadas boas práticas aplicáveis aos manipuladores de alimentos; limpeza e sanitização de instalações, equipamentos e utensílios; conservação e preparo de alimentos; e a garantia de comercialização de produtos seguros ao consumo humano.

De maio a setembro de 2017, o Sebrae realizou o trabalho de consultoria dentro do “Alimentação Fora do Lar” em Salinas, que contou com a adesão das empresas Padaria e Restaurante Paladar, Restaurante e Pizzaria do Toninho e Fofocas Bar. Os comerciantes receberam informações sobre a padronização dos produtos, dos processos e das operações, trabalho que resultou na redução do desperdício, melhorou a conservação dos alimentos e gerou controles de custos. 

“O resultado positivo se deve ao comprometimento dos empresários, que compraram a ideia e investiram nas melhorias traçadas nos planos de ação. Um dos destaques é a capacitação de 100% dos seus colaboradores, que apresentaram sugestões para as dificuldades que iam surgindo com a implantação do programa”, destaca a consultora do Sebrae Maria das Graças Pôncio.

Conhecimento e prática

Proprietário do Fofocas Bar, Pedro Henrique Martins conta ter aprendido muito com o programa, que chegou em boa hora.  Ele planeja novos investimentos no restaurante e vai fazer mudanças na cozinha de acordo com as normas de segurança alimentar. “Lidamos com vidas humanas e temos que nos preocupar com a qualidade da comida que servimos. O programa do Sebrae trouxe um grande aprendizado para mim e meus funcionários no que diz respeito a higiene, redução de risco de contaminação e a maneira segura de manusear os alimentos. Vou fazer as reformas seguindo o que aprendi com a consultoria”, ressalta.

Maraisa Martins, administradora do Restaurante e Pizzaria do Toninho, destaca a importância de ter participado programa e enumera as mudanças positivas no local. “Foi fundamental o aprendizado que tivemos com a consultoria. Aprendemos técnicas corretas de congelamento; reaproveitar cascas da cebola para fazer temperos; e colocar quantidades adequadas de comida no buffet. Também aprendemos que, com mudanças simples, podemos ter mais higiene e evitar desperdício. Assim, podemos fidelizar e atrair novos clientes”, enfatiza.

Na Padaria e Restaurante Paladar, as mudanças também aconteceram e a proprietária do estabelecimento, Magda Elisa Corrêa, quer melhorar ainda mais a qualidade dos serviços. “O programa e a consultoria proporcionaram a mim e à minha equipe de colaboradores um grande aprendizado. Houve mudanças de comportamento, conceitos e estruturais. Hoje temos certeza de que oferecemos para nossa clientela uma alimentação de qualidade e sem riscos. Temos maior consciência com a questão da higiene na manipulação dos alimentos, além de evitar o desperdício. Continuamos com o acompanhamento e cobranças para melhorar a cada dia”, garante.

Tendências de mercado

O interesse e o engajamento dos comerciantes de Salinas no programa mostram que eles estão no caminho certo. Dados de uma pesquisa recente do Sebrae com pequenos negócios do segmento de alimentação mostra que 86% pretendem fazer investimento nos próximos anos, o que pode indicar otimismo em relação à recuperação da economia brasileira. As áreas citadas como preferenciais para os investimentos são melhoria do atendimento ao cliente (56%), marketing (53%) e nas redes sociais (50%). Uma parcela dos empreendedores (38%) quer inovar no modelo de negócio e há boa disposição (32%) para aprimorar a área digital, como o uso de aplicativos e softwares de gestão.

O estudo também revela que restaurantes (33%) e lanchonetes (18%) somam 51% dos pequenos empreendimentos no segmento de alimentação fora do lar. Com relação ao cardápio, a maior parte dos estabelecimentos comercializa comida brasileira e tradicional (49%), alinhado ao perfil do consumo e do “gostinho brasileiro” por comida caseira. Outros 31% dos negócios atuam na produção de alimentos específicos ou de cozinhas segmentadas; 20% afirmam não atuar com uma cozinha específica; e 6% das micro e pequenas empresas comercializam alimentação saudável.

 

Assessoria de Imprensa do Sebrae Minas - Regional Norte
(38) 99927-1615

Tags: Alimentação fora do lar, alimentação