Mercado

Identidade valorizada

Projeto Origem Minas confere mais visibilidade a produtos tipicamente mineiros

Queijos, cachaças, doces, cafés. Definitivamente, o minério não é a única riqueza de Minas Gerais: em 2018, o Agronegócio foi responsável por 33,29% do PIB do estado. O clima favorável e a grande oferta de recursos hídricos favorecem a produção de diversos itens nas 550 mil propriedades rurais registradas, com destaque para o café, o leite e seus derivados.

Para valorizar, fortalecer e projetar o agronegócio mineiro nos mercados nacional e internacional, o Sebrae Minas realiza o projeto Origem Minas, em parceria com a Federação da Agricultura e Pecuária (Faemg). Por meio dele, produtores rurais de pequeno porte – inclusive agricultores familiares – e micro e pequenas empresas que têm produtos com identidade mineira podem participar de feiras, exposições e capacitações.

Desde que o projeto foi criado, em 2012, 1.110 empreendedores receberam apoio para participar de 132 eventos em todo o país. São exemplos a Apas, maior feira supermercadista do país; a Superminas Food Show, segunda maior do varejo alimentício brasileiro; o Mesa São Paulo, maior congresso de gastronomia da América Latina; o Festival Fartura, encontro entre chefs renomados de todo o Brasil; a Semana Internacional do Café (SIC), principal evento nacional do segmento e um dos maiores do mundo; e o Festival do Queijo Minas Artesanal, que reúne produtores do Queijo Minas Artesanal das sete regiões de Minas Gerais. 

 “São oportunidades de mostrar a mineiridade para todo o país e de fechar negócios com compradores que valorizam produtos artesanais de qualidade”, explica Danielle Fantini, analista do Sebrae Minas responsável pelo projeto. Para garantir ainda mais visibilidade aos participantes, um catálogo virtual com o nome e o contato de todas as empresas apoiadas será disponibilizado no site do Sebrae Minas em 2020.

Os inscritos no Origem Minas também têm acesso a consultorias nas áreas de mercado, finanças e recursos humanos e podem participar do programa Sebraetec, que oferece soluções em áreas de conhecimento e inovação.  “A ideia é fornecer aos participantes todo o apoio necessário para que eles fortaleçam e profissionalizem os seus negócios”, diz Danielle.

Origem única 

Filho de produtores de café, Saimithon Gunter Alves de Souza cresceu em meio às plantações, na fazenda localizada na Serra do Salitre, no Alto Paranaíba. No ano de 2000, quando tinha 12 anos, perdeu o pai e viu a produção cafeeira diminuir consideravelmente. Quando cursava Economia, numa universidade paulista, ele decidiu, então, aprofundar os conhecimentos sobre o café, para novamente empreender na área.

 Em 2014, Saimithon criou a marca de café Arábica Best Coffee. Esse diferencial rendeu a ele um convite para participar do Origem Minas e apresentar o produto em feiras país afora. “Entrei para o projeto em 2018. Antes disso, nunca havia exposto os meus cafés em eventos. A experiência está sendo muito rica, principalmente pela oportunidade de conhecer novas empresas e trocar informações”, avalia.

O portfólio da Arábica Best Coffee conta com cafés tradicionais de torra escura, média escura e média; expresso e aromáticos de flor, fruta, vinho e caramelo. Os produtos são comercializados em armazéns, empórios e supermercados da região do Triângulo Mineiro. 

Saimithon também participa do Sebraetec e quer aproveitar as sugestões que virão da área de design para desenvolver o layout da fachada da loja própria que pretende construir em breve.

“Melhor coisa”

Ivana Coelho, criadora da Ivana Coelho Gourmet, é outra participante do Origem Minas. Após 20 anos no mercado de publicidade, ela decidiu se arriscar no negócio próprio. “Em 2014, abri a empresa e, no mesmo ano, fui convidada a participar. Desde então, recebo apoio para expor os produtos em várias feiras”, diz.

A produção de Ivana começou na casa dela e, seis meses depois, foi transferida para uma fábrica no centro de Belo Horizonte. Atualmente, os produtos – cocada cremosa, ambrosia e brigadeiro nos sabores tradicional, café, café com cachaça, milho verde, capim limão, pimenta e whisky – são vendidos em 20 estados do Brasil, principalmente em São Paulo, que concentra 60% dos clientes. Tudo é feito artesanalmente, com ingredientes selecionados e 40% menos de açúcar. Outro grande diferencial são as embalagens, elaboradas nos mínimos detalhes pela publicitária. “O Origem Minas tem sido muito importante para dar visibilidade à minha marca e sem dúvida contribui para os resultados alcançados. A melhor coisa para um pequeno produtor é saber que existem iniciativas como essa para apoiá-lo”, diz.

 

Assessoria de Imprensa do Sebrae Minas

(31) 3379-9271 / 9275 / 9276

Tags: Agronegócios, Origem Minas