Esporte

Copa do Mundo impulsiona pequenos negócios do esporte

Levantamento do Sebrae Minas confirma aumento de empreendimentos no setor esportivo 2010 e 2014; empresários do ramo ficam na expectativa para junho e julho deste ano

Yan Lopes projeta crescimento de até 40% em seu faturamento durante junho e julho

O maior evento esportivo do mundo é uma ótima oportunidade para empreender e lucrar mais. Entre junho e julho, período em que ocorre a Copa do Mundo, a demanda por produtos relacionados ao futebol tende a aumentar. Essa procura estimula a abertura de empresas e melhora as expectativas de negócios de quem já empreende na área. Um levantamento realizado pelo Sebrae Minas mostra que as duas últimas Copas, em 2010 e 2014, impulsionaram o surgimento de novos negócios no setor esportivo no Brasil.

Segundo o estudo, em 2010, ano em que Copa do Mundo foi disputada na África do Sul, o número de lojas de materiais esportivos cresceu 6% em relação a 2009. Em 2014, quando o maior evento de seleções do mundo foi realizado no Brasil, as empresas do setor aumentaram 3% em comparação ao ano anterior.

Em Minas Gerais também foi registrado crescimento das revendas de materiais esportivos nos anos de 2010 (11%) e 2014 (4%). Dono da marca Torcedor Esporte Clube, rede de dez lojas (oito franquias e duas próprias) em oito estados brasileiros, Yan Lopes sabe que o período de Copa do Mundo é um período especial para o varejo. O carioca projeta um crescimento de 30% a 40% em seu faturamento durante junho e julho deste ano.

"Em anos de Copa do Mundo as vendas melhoram muito. Estamos mais otimistas neste ano do que nas duas últimas Copas”, diz o empresário, que tem expectativas de reforçar a equipe no período do mundial.

Letícia Novais, proprietária da Let'Sports, microempresa localizada no bairro Grajaú, região Oeste de Belo Horizonte, espera aproveitar a boa fase da seleção brasileira para vender mais. "Claro que temos uma expectativa de aumento em junho! Vamos receber produtos como bandeiras, canecas, acessórios, apitos e outros, conta.

O analista do Sebrae Minas Victor Ferreira destaca a influência do comportamento coletivo para explicar o aumento de vendas de artigos esportivos em anos de Copa do Mundo. “Em ano de mundial, o futebol fica em evidência. E o brasileiro, que já é apaixonado por esse esporte, compra mais camisas de time e outros materiais esportivos do que já tem costume”, diz.

Ensino de esportes

Marca do América-MG está estampada em 54 escolinhas no estado mineiro

Não são apenas as lojas de artigos esportivos que crescem em ano de Copa do Mundo. O levantamento do Sebrae Minas também indica um aumento de micro e pequenas empresas dedicadas ao ensino de esportes no "país do futebol". Os números mostram que houve aumento de 16% e 8% em 2010 e 2014, respectivamente, em relação aos anos anteriores. Em Minas Gerais, o segmento cresceu 12% em 2010 e de 8% em 2014.

Elói Assis é coordenador das escolinhas de futebol do América-MG. No estado existem 54 academias que levam a bandeira do clube alviverde. Cerca de quatro mil crianças e adolescentes estão matriculadas nas escolinhas. "O futebol é um sonho de toda criança e todo pai quer ver seu filho em uma", avalia o empresário.

 

Assessoria de Imprensa do Sebrae Minas
(31) 3379-9275/9278/9276/9271

Tags: Copa, Esporte, Pesquisa